22 September, 2018, 00:25

Quebre as correntes da imaginação

Se tem uma coisa que 2006 e 2007 nos ensinaram foi a caprichar no lápis de olho e chorar muito com os meninos da Fresno.

Já que fizemos essa retrospectiva na linha do tempo, vale a pena perguntar: você reparou que nossas melhores histórias não saem dos textos que lemos ou do tempo que gastamos em aplicativos, mas sim das camadas que envolvem a nossa própria realidade?

Seja para aquele seu novo artigo do mestrado ou para uma nova campanha para a sua empresa, se bater aquele momento de desespero onde nada mais te inspira, alimente sua imaginação com os fragmentos dos castelos que você construiu com as próprias mãos na areia.

E não esqueça: tudo o que você precisa se encontra em você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *