16 November, 2018, 18:45

Amy e o Clube dos 27

“Agora ele se foi e se juntou àquele clube estúpido. Eu falei para ele não se juntar a este clube estúpido. Eu nunca mais vou segurá-lo novamente. Eu não sei para onde ir.” (Wendy Cobain O’Connor, mãe do lendário Kurt Cobain, após a sua morte).

Além do talento de outro mundo, existe algo muito mais macabro que conecta Kurt a Janis Joplin, Jimi Hendrix, Amy Winehouse, Jim Morrison e Brian Jones, a idade da morte de todos eles, os temidos 27 anos.

Além do retorno de saturno, existem milhares de teorias da conspiração envolvendo cada um desses artistas e essa terrível coincidência acerca de partidas tão prematuras, silenciando palcos e fazendo barulho para sempre no coração de seus fãs.

A astrologia costuma dizer que quando lhe falta estrutura familiar ou pessoal, todas essas coisas ficarão muito mais evidentes aos 27, idade de profunda vivência de uma crise interior. Vivenciar este momento pode ser uma forma de cicatrizar as feridas da existência, mas também pode trazer a tona todas as suas fragilidades emocionais.

Há quem fale até sobre pactos satânicos para alcançar fama e dinheiro. Tem gente que jura de pé junto que presenciou cerimônias onde os músicos trocavam suas almas para ter sucesso [beleza, aqui a humanidade foi longe demais].

Mas apesar de ser difícil aceitar que vozes tão transcendentais se calaram tão cedo, a resposta mais plausível para essa infeliz coincidência está no ritmo de vida frenético e intenso, aliado ao abuso de álcool e substâncias ilícitas como fuga da própria realidade, que assombrava os músicos quando a multidão não estava por perto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *